Entretenimento e diversidade para os assinantes são características das plataformas de streaming. Porém, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Olhar Digital, no Brasil, 28,1% de pessoas afirmam que as assinaturas causam prejuízos no orçamento final do mês. Os custos estão levando os usuários a optarem entre uma ou outra nas opções, para aproveitarem seus conteúdos, como filmes, séries, desenhos animados e documentários.

Segundo a assinante e professora, Cláudia Nandi Formentin, os pensamentos das assinaturas precisam de planejamentos. A variedade de conteúdos e os preços das plataformas deixam dúvidas na escolha, porque a utilização de várias ao mesmo tempo pode causar prejuízos no pagamento.

“Ter uma plataforma fixa é um bom começo. Mas, quando se tem vontade de assinar outras, fazer pesquisas e ver os conteúdos que cada uma propõe ajudará na decisão. O pensamento antes de assinar precisa de amadurecimento, fazer estimativas do quanto você vai aproveitar e ver se vale a pena ou não o comprometimento com a plataforma”, ressalta.

Cláudia também estabelece, que uma tática interessante é utilizá-las nos períodos experimentais. Trocar uma plataforma pela outra e ver qual é a mais benéfica em diversidade cultural. Normalmente, elas já possuem bastante conteúdos inseridos e nesses dias grátis você consegue ver quais chamam a sua atenção, e se vale a pena assinar.

“Os preços nunca chegaram no ponto de causarem prejuízos para mim. Porém, quando faço os cálculos e percebo que as assinaturas causarão isso, penso no assunto. Se tiver a necessidade de cancelar tem que ser feito, ajustar a assinatura para outro momento que não afete o pagamento. A organização sempre é a chave para se equilibrar”, pondera.

Como fazer para não pesar no bolso?

Para o economista, Cláudio Henrique Tancredo, os streamings são plataformas revolucionárias. Elas substituem e superam as programações tradicionais de antigamente e devido à crise causada pela covid-19 os números de assinaturas aumentaram. Uma pesquisa realizada Motion Pictures Association (MPA) mostrou elevações de 26% nas assinaturas no mundo.

Já em relação aos custos, Tancredo diz que o ideal é escolher uma plataforma que satisfaz o gosto do assinante. Cada escolha de streaming depende da pessoa e do objetivo dela em termos culturais.

“É mais vantajoso evitar assinar automaticamente. Pagar apenas de forma mensal e escolher o que vai assistir durante aquele mês. Os conteúdos variam em momentos, às vezes, uma plataforma pode superar outra na diversidade e algumas assinaturas são deixadas de lado. Desta forma, pagando mensalmente o cancelamento é fácil e causarão menos prejuízos aos consumidores”, finaliza.